Lei de incentivo ao uso da bicicleta na Colômbia

Agora todas as bikes podem ocupar todo uma pista e os ciclistas poderão pedir uma passagem grátis ao mês. Abaixo, resumimos a lei

 

Ainda não sabemos exatamente quantos, mas cada vez mais os colombianos estão recorrendo a bicicleta para solucionar o eterno problema de “como vou ir daqui para lá”. E como todas as soluções trazem junto novos problemas, agora temos ciclistas que se queixam do porque os pedestres não respeitam as ciclorrotas, porque tem motoristas que não entendem que existe uma bicicleta andando na sua frente no meio da pista, ou ao contrário, a sensação generalizada dos outros de que os ciclistas fazem na via o que tem vontade.

 

Porque o congresso teve a boa intenção de organizar tudo isso – e porque aqui não se nega a lei a ninguém e a nada – O Governo sancionou há uns dias a lei 1811, que modifica o Código de Transito e dá incentivo para o uso da bicicleta.

Estes são, em resumo, os incentivos e as novas regras:

Primeiro o dinheiro: A primeira página da nova lei diz que os usuários do Sistema Integrado de Transporte Público “que tem usado a bicicleta como modo de alimentar o sistema” receberão uma passagem em seus cartões por cada 30 “validações do uso de bicicletários”. Uma passagem grátis ao mês por ir todos os dias de bicicleta até a estação não é muito, mas…é o preço de uma cerveja no mês

Ainda antes de contar com esta cerveja no mês você deve saber que uma linha abaixo da lei diz que as empresas que prestam o serviço de transporte público “poderão implementar os benefícios de acordo com sua capacidade financeira” e que os benefícios “só serão válidos até que se abra novas licitações ou que se renegociem os contratos de operação dos sistemas” dando a entender que essa passagem grátis ao mês pode mudar facilmente.

Quem vai ter o melhor benefício são os funcionários públicos, que receberão metade do dia de salário por cada 30 vezes que chegarem ao trabalho de bicicleta.

Estas duas condições (só a médio prazo e só se tiver verba) aplicam para outras promessas relacionadas com o Transporte Público que inclui a lei, como a dos bicicletários e a de instalar paraciclos em pontos de ônibus, que já tem em alguns ônibus intermunicipais de Medellin e seus arredores.

 

O que se parece tangível é a mudança do Código de Transito:

A nova lei esclarece toda a discussão de por onde deve andar os ciclistas na via que não tem ciclorrota: No meio da pista, ocupando-a por completo. Antes o Código dizia que devia andar pela direita, a menos de um metro da guia, coisa que é incomoda e perigosa.

Práticas tão populares e culturais como levar pessoas na garupa, andar de bike por fora das ciclovias e ciclorrotas e estacionar o carro encima delas se tornaram proibidos.

A lei também estabelece uma velocidade máxima na ciclovia de 25km/h, que ninguém sabe com que tipo de equipamento de medicação de velocidade será utilizado.

Precisamos de uma lei como essa no Brasil? Qual tipo de incentivo vocês acreditam que seria importante para nosso país?

Aqui está, vamos pedalar!

#usebike #appdociclistaurbano